Espanhol Português Inglês
GUIA ONLINE
DE FORNECEDORES
Fabricantes Distribuidores Empresas
Busca Geral
Participe agora mesmo
CADASTRE-SE AGORA MESMO!
 


Voltar

Como selecionar a melhor ashwagandha?

A ashwagandha (Withania somnifera) é o botânico mais reverenciado da Ayurveda, onde também é conhecida como o Príncipe das Ervas, devido a sua impressionante variedade de benefícios terapêuticos. Na Ayurveda, a ashwagandha exemplifica a própria essência da abordagem profilática e restauradora da saúde.

O relatório HerbalGram 2020, da American Botanical Council, menciona que a ashwagandha teve um grande crescimento de 185%. Além disso, de acordo com dados recentes do Portal de Insights da Clear Cut Analytics, a ashwagandha é a única erva entre os cinco principais suplementos dietéticos (classificados por crescimento) com uma taxa de crescimento de 67%.

A Ashwagandha é uma erva procurada mundialmente por consumidores que desejam permanecer saudáveis e melhorar o bem-estar.

Com o aumento acentuado na demanda por ashwagandha, há também aumento na demanda por extrato de ashwagandha sustentável e de qualidade superior. Selecionar o melhor ingrediente “ashwagandha” pode parecer um processo oneroso. Mas a seleção certa pode fornecer um ingrediente confiável e de qualidade para formuladores e fabricantes que incorporam a erva em seus produtos.

É consenso comum que a segurança e a qualidade do produto final dependem, em última análise, não apenas dos ingredientes em si, mas também das melhores práticas do fornecedor. Então, como selecionar o melhor fornecedor? Existem seis fatores essenciais a considerar ao selecionar o fornecedor de ashwagandha.

Primeiramente, é preciso se cerificar que sua ashwagandha seja um extrato apenas de raiz. Existem alguns fornecedores de ashwagandha que fazem o extrato usando as folhas da planta ao invés de usar apenas a raiz. É estritamente aconselhável não usar folhas de ashwagandha, devido a indisponibilidade de dados substanciais de segurança e eficácia das folhas. Além disso, estudos clínicos humanos confiáveis mais recentes (por pesquisadores independentes e universidades) demonstraram a segurança e eficácia da ashwagandha usando apenas a raiz, cimentando e elucidando o seu valor na promoção da saúde. Protocolos regulatórios, como a EFSA, a Agência Europeia de Medicina e vários outros países tendem ao uso de raízes de ashwagandha e não de folhas. Milhares de anos de uso tradicional se concentram no uso da raiz de ashwagandha. Vários livros de Ayurveda, bem como textos de referência padrão, incluindo as Farmacopeias da Índia, do Reino Unido e dos Estados Unidos, bem como várias monografias credenciadas globalmente, como a OMS e a Health Canadá, recomendam o uso das raízes e não das partes aéreas da planta de ashwagandha.

Em segundo, é preciso certificar-se de que o extrato de ashwagandha foi validado cientificamente. Hoje, os consumidores buscam clareza e evidências dos benefícios terapêuticos de extratos que podem corroborar as alegações tradicionais. A ciência e a pesquisa modernas validam esses benefícios tradicionais à saúde e descobriram os mecanismos de ação. Ao olhar para um extrato de ashwagandha, os consumidores querem saber se a pesquisa foi conduzida sobre esse ingrediente real e se os resultados foram apresentados de forma transparente. Também é importante que os estudos clínicos tenham seguido o padrão ouro de comprovação: ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos, controlados por placebo em humanos e que foram conduzidos em população saudável por especialistas ou pesquisadores bem estabelecidos.

O terceiro fator a considerar ao selecionar o fornecedor de ashwagandha é de esteja verticalmente integrado. A demanda de ashwagandha tem crescido consistentemente nos últimos anos, resultante da conscientização do consumidor sobre a erva. A demanda continua crescendo, criando uma enorme pressão na cadeia de abastecimento. Os especialistas preveem que, no futuro, a lacuna entre a demanda e a oferta aumentará ainda mais o preço da matéria-prima. Muitos fabricantes adulteram secretamente os extratos de raiz, misturando-os com o material da folha inferior. Portanto, é muito importante trabalhar com um fornecedor de ashwagandha que possui e controla toda a cadeia de suprimentos, desde as fazendas até as unidades de manufatura de última geração e distribuição. Os consumidores buscam rastreabilidade com marcas que fornecem visibilidade total das suas cadeias de suprimentos e podem documentar o ingrediente da semente até a prateleira.

Outro fator importante é certificar-se de que a ashwagandha seja extraída sem o uso de álcool ou quaisquer produtos químicos e solventes. O processo de extração às vezes requer o uso de produtos químicos fortes, álcool e solventes, cujos vestígios são difíceis de remover completamente do produto final. O uso de álcool também restringe, na maioria das vezes, o ingrediente ashwagandha de se tornar certificado como orgânico. A extração à base de água ou verde resulta em um extrato mais limpo, com melhores propriedades organolépticas, solubilidade aprimorada e um ambiente mais verde.

A dosagem certa do conteúdo de vitanolido da ashwagandha é um fator primordial. O vitanolido é um dos bioativos encontrados na ashwagandha. No entanto, também é importante que o extrato tenha espectro total. Um extrato de espectro total é aquele que mantém o equilíbrio dos vários constituintes encontrados na erva original, sem representar em excesso qualquer um dos constituintes. Acredita-se que a eficácia da ashwagandha seja derivada de uma mistura complexa de constituintes ativos e todos esses constituintes precisam estar presentes em suas proporções naturais, razão pela qual é fundamental para um extrato de raiz de ashwagandha ter espectro completo.

Ao escolher um extrato de ashwagandha, é importante certificar-se sempre de que o conteúdo de vitanolido não seja muito alto (por exemplo, > 25% por HPLC). Isso tornará o extrato mais parecido com um produto farmacêutico, onde o foco está principalmente em um bioativo. Da mesma forma, é importante garantir que o conteúdo de vitanolido não seja muito baixo (<2,5% por HPLC). Isso fará com que a dosagem do extrato seja muito alta. Portanto, o certo é escolher sempre um extrato que tenha uma porcentagem ótima de vitanolido (entre 3% e 5% por HPLC), de modo que todos os outros constituintes que são importantes para a eficácia da erva também sejam suficientemente representados.

Por fim, certifique-se de que o extrato de ashwagandha e o fornecedor sejam certificados e verificados por certificações independentes de terceiros. Na era prática de hoje, os consumidores querem mais evidências e validação não apenas em termos de alegações terapêuticas e pesquisas científicas, mas também em termos de qualidade dos produtos. Sem dúvida, a qualidade está se tornando uma necessidade no mercado de hoje em relação à fabricação de suplementos dietéticos e à base de ervas. As certificações de qualidade fornecem garantia de que uma empresa está comprometida com as melhores práticas em sua produção, teste e cadeia de abastecimento. As certificações de qualidade podem ser validadas como evidências tangíveis de transparência. Em outras palavras, quanto mais certificações, mais transparente é o protocolo de controle de qualidade do fornecedor. As certificações são uma medida de conformidade com especificações rígidas e estritas e também fornecem uma visão sobre o que uma empresa valoriza e onde está investindo.

Fonte: Ingredients Network




 

Telefone:

+55 11 5524-6931

Celular:

+55 11 99998-0506

Newsletter:

Fique conectado:

© EDITORA INSUMOS LTDA.

Av. Sargento Geraldo Santana,
567 – 1º andar
CEP 04674-225
São Paulo, SP - Brasil

001